Contando um pouco da minha viagem ao redor do Brasil

 Cheguei ao Brasil em 13 de janeiro e agora, quatro meses depois, eu acho que já posso lhes contar um pouco sobre a minha viagem. 

Vim ao Brasil para estuadar por um semestre como participante do intercâmbio de estudantes entre as Universidades de Carlos em Praga (onde eu estudo doutorado na faculdade de Filosofia -  Centro de Estudos Ibero-americano) e a Universidade de São Paulo (USP-FFLCH). Eu vim a fim de obter materiais de estudo para a minha dissertação, cujo tema é a emigração para o Brasil a partir das  terras tchecas  desde do inicio do século 19 até 1918. Estou procurando as „ pegadas“ tchecas  que foram  deixadas por esses emigrantes aqui no Brasil. O plano da minha viagem ao redor do Brasil foi  traçado de acordo com a rota desses emigrantes.

            Em janeiro após a minha chegada, eu me matriculei e estudei na USP. Frequentei o curso de português para estrangeiros. E fiz 4 viagens curtas para minhas pesquisas:

       1)     Para Pirajá (cidade no interior do estado de São Paulo), a fim de encontrar descendentes de algumas famílias que emigraram para  lá para trabalhar nas plantações de café no final do século 19  saindo da cidade de Trojanovice,  na Moravia.

       2)     Eu também fui ao Rio de Janeiro em busca de pistas sobre a arquiduquesa Leopoldina que chegou aqui em  1817 para morar com o marido, o principe Pedro. Com ela é provável que tenham vindo a condessa Magnis, de Straznice na Moravia. E, em 1823 um empresário da região de Nový Bor, na Bohemia,  Franz Scheiner que fundou uma empresa de vudro chamada Sociedade Germania.

      3)     Do Rio, fui para a cidade imperial de Petrópolis, onde no inicio do século XX, o herdeiro do trono Pedro Orleans Bragança, casou-se com a nossa princesa tcheca a condessa Eliska Dobrzenska.

      4)     Também fiz uma viagem ao Porto de Santos, que foi um importante porto para os imigrantes e não apenas por causa do jogador de futebol Pelé.

            Em São Paulo eu visitei uma União de expatriados historicamente importante  chamada Slavia, que foi criada por imigrantes tchecos em 1895. Devo também  mencionar minhas visitas ao Museu dos Imigrantes em São Paulo.

            No dia 13 de Março eu voei de São Paulo para Salvador - a capital do estado Bahia. Onde eu fui procurar as „pegadas“ dos irmãos Hubert  também de Nový Bor, que já em 1807 negociavam aqui os vudros  e lustres tchecos. Eu conheci aqui um estudantes da  UFBA que escreveu um trabalho interessante sobre temas semelhantes ao meu. Também na Bahia em Jequié – Eu conheci um professor cujas publicações tem vários capitulos que falam sobre os assuntos da minha dissertação. Eu visitei a primeira colônia para estrangeiros fundada por imigrantes europeus, principalmente da Alemanha e Suiça, tinham também até imigrantes vindo do nosso país. Eu viajei para as cidades de Itabuna, Ilhéus, Una, Comandatuba, e Vila Viçosa, procurando os restos das colônias de Teodoro, Muniz, Leopoldina, e Frankenthal. Visitei Porto Seguro, cidade onde Pedro Alvares Cabral descobriu a América. De Nova Viscosa, eu fui para Nova Lídice, porque me interessou o fato de ter aqui no Brasil uma cidade com o mesmo nome da nossa Lídice aí na República Tcheca.

            Em meados de abril fui para outro estado - Minas Gerais, visitei as cidades de Diamantina e Serro, procurando a origem do presidente brasileiro Juscelino Kubitschek,  mais precisamente, o que aconteceu com seu bisavô João de Nepomuk Kubitschek. Em 21 de abril cheguei na capital do Estado de Minas Gerais, onde continuei a procurar por „pegadas“ de JK . Eu conheci alguns descendentes da família, cujo avô fundou uma colônia Tcheca em Sabará em 1893. Tmabém visitei a cidade de Ouro Preto.

            Em 28 de abril eu voei para Cuiabá, no Estado do Mato Grosso. De lá eu viajei durante todo um dia de ônibus para a cidade de Vila Bela, quase na fronteira com a Bolívia,a fim de procurar o túmulo de Dominik Sochor, um membro da expedição austríaca  de 1817. Em seguida, eu voltei para Cuiabá, onde participei de  uma palestra na UFMT antes de voar para Brasilia, a capital do Brasil, onde eu visitei o memorial J. K. E também a Universidade de Brasilia, as nossas embaixadas e  a organização IBRAM, a partir da qual ganhamos  o prêmio para o  Museu da emigração para o Brasil em Ralsku. Então voei para Curitiba, e onde visitei a comuunidade  de expatriados em São

Bento do Sul com o nosso embaixador, tcheco, com o consul tcheco  e  com o redator da rádio tcheca.

            Agora me despeço de vocês aqui de Curitiba, capital do estado do Paraná, estou indo para   Joinville de ônibus. Até logo. 

Petr Polakovic

13 de maio de 2015

FOTOS